21 de setembro: Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência

Aline Moraes

Setembro é o mês oficial da luta pela inclusão das pessoas com deficiência, sendo o dia 21 o dia Nacional da Luta das Pessoas com Deficiência, cujo objetivo é proporcionar maior visibilidade e promover ações em prol às pessoas com deficiência.
De acordo com o último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Brasil possui 45 milhões de Pessoas com Deficiência (PcDs), o que representa 24% da população.
O número de pessoas com deficiências inseridas no mercado de trabalho vem aumentando desde a promulgação da Lei de Cotas (8.213/91, art. 93) que dispõe sobre a reserva de vagas para as pessoas com deficiência, sendo determinada por um percentual aplicado ao número de funcionários, entretanto, ainda é considerada baixa e distante daquilo que a legislação prevê.
O trabalho na visão das pessoas com deficiência é uma forma de convívio social que proporciona reconhecimento e visibilidade social, promove desenvolvimento pessoal e profissional, por se sentir ativo melhora autoestima, torna-se mais autoconfiante e mais independente.
Diversos estudos mostram que a política da inclusão envolve discussões de barreiras ao processo: falta de equipamentos para atender às necessidades; falta de acessibilidade nas empresas; acessibilidade e mobilidade urbana; baixa qualificação profissional; a inclusão de acordo com o tipo e gravidade da deficiência; desconhecimento, por parte dos gestores, das capacidades e competências das pessoas com deficiência.
O ambiente no qual a pessoa com deficiência está inserida pode facilitar ou dificultar suas atividades. A falta de adaptações no ambiente, preconceitos e estigmas com relação às pessoas com deficiência produzem insegurança e resistência em lidar com a diversidade.
Na maior parte dos casos a inclusão é tratada a fim de cumprir a legislação e algumas empresas chegam a optar por pagar as multas impostas pelos agentes de fiscalização. Segundo algumas pesquisas as empresas contratam de acordo com a sua estrutura arquitetônica para não se preocupar com acessibilidade e muitas ocupam cargos inferiorizados, monótonos, de conteúdo repetitivo, recebem menos promoção e oportunidades de crescimento. Afirmando dessa forma que contrata apenas para cumprir a lei.
A pessoa com deficiência possui potencialidades e dificuldades como uma pessoa sem deficiência. E fará parte da equipe como todos os funcionários.
As empresas para serem inclusivas precisam adequar às estruturas arquitetônicas e os instrumentos de trabalho, programas de treinamentos e desenvolvimento de recursos humanos. Acolher todos os indivíduos da equipe respeitando suas diferenças, particularidades e limitações.
A forma de preconceito mais presente na vida das pessoas com deficiência é a generalização indevida, ou seja, a redução da pessoa à sua característica diferencial (deficiência) que funciona como rótulo para ocultar as demais características da pessoa.
O indicado é contratar o trabalhador com deficiência qualificado e habilitado de acordo com a atividade exercida, receber treinamentos adequado para desenvolver sua função, ter suas atribuições claras, entre outros. Esses fatores aliados à acessibilidade demonstram compromisso da empresa com a inclusão.
Estudos mostram também que uma das maiores dificuldade é superar essa resistência inicial e que à medida que as empresas abrem espaços para a diversidade percebem os benefícios desta gestão: responsabilidade social fortalecimento da imagem da empresa diante a sociedade e funcionários acarretando ganhos internos.
E que, há, também, empresas que se esforçam para além de cumprir a lei de cotas, criar formas efetivas de inclusão e contratam mais pessoas com deficiência do que o exigido por lei.
Combater o preconceito, reconhecer e promover a igualdade de chances, visar o desenvolvimento dos potenciais de todos os funcionários é uma postura ética a ser adotada. A pessoa com deficiência deseja na inserção do mercado de trabalho uma oportunidade para exercer suas competências.

Aline Marcela de Moraes, Psicóloga, Técnica em Segurança do Trabalho.
Psicóloga Clínica – CRP: 06/130716 – Facebook: /ammpsicologa – e-mail: alinemarcela_moraes@hotmail.com – Fone: (14) 99679-2161.

Compartilhe
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter
Instagram

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*