Adevimari apresenta filme O Palhaço com audiodescrição para deficientes visuais

 

Com entrada gratuita, sessão está marcada para esta sexta-feira (18), às 19h, na sala de Projeção Municipal, com acesso pelo Museu de Paleontologia

 

A Adevimari (Associação dos Deficientes Visuais de Marília) apresenta o filme O Palhaço em sessão única e especial com audiodescrição nesta sexta feira (18), às 19h, Sala de Projeção Municipal “Emílio Pedutti Filho” (Av Rio Branco 245, piso superior – entrada pelo Museu de Palentologia).

A sessão conta com apoio da Prefeitura de Marília, por meio da Secretaria Municipal da Cultura, Cine Cultura e Clube de Cinema. A entrada é gratuita.

O filme O Palhaço, lançado em 2011 e escrito e dirigido por Selton Mello, conta com o recurso da audiodescrição. Altamente premiado, este é o segundo filme de Selton Mello como diretor e conta uma emocionante história de um palhaço de circo em busca de sua identidade.

Trata-se de uma verdadeira homenagem ao humor brasileiro, cheio de referências a grandes mestres, ao mesmo tempo com uma linguagem cinematográfica sofisticada e moderna, remetendo muito a diretores como o acalmado norte americano Wes Anderson.

Com esta iniciativa, a Adevimari espera incentivar que os deficientes tomem gosto pelas artes cada vez mais e, acima de tudo, sintam-se representados e tenham acesso à cultura.

Da mesma maneira, espera incentivar que a sociedade como um todo perceba a importância de medidas como a adaptação das salas de cinema para inclusão de todas as pessoas e cobre a adoção imediata dessas medidas.

Sistema de audiodescrição

Em 2017, aproximadamente 181 milhões de pessoas renderam aos cinemas brasileiros uma renda de R$ 2,7 bilhões. Mas uma parcela da população fica de fora deste mundo mágico: os deficientes visuais.

E não é por falta de interesse. Muitas pessoas com baixa visão e cegos gostam muito da sétima arte e acompanham filmes e séries na televisão. Porém, ir a uma sala de cinema torna-se um pouco mais complicado.

O deficiente visual depende de uma segunda pessoa para ir lhe dizendo o que se passa na tela, principalmente em cenas onde não há diálogo. E conversa, por mais que seja um cochicho, na sala de cinema acaba incomodando as outras pessoas. Foi pensando nisso que surgiu a audiodescrição.

A audiodescrição é uma ferramenta que permite ao deficiente visual “enxergar” não só em filmes, mas também em peças de teatro, programas de TV, desfiles de moda ou qualquer evento cultural.

No caso do cinema, a audiodescrição descreve as cenas, os ambientes, os personagens, as mudanças de tempo e espaço, a iluminação e as articulações de planos, tudo isso entre as falas do filme.

Desde 2016 uma lei tramita no legislativo para obrigar que todos os cinemas disponham de uma porcentagem de suas salas com recursos para deficientes visuais e auditivos. Enquanto a lei não entra em vigor, os deficientes visuais se viram como podem para curtir um bom filme.

 

Fotos: Divulgação

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*