Artigo: A Dengue em época de Corona Vírus, por Cassiano Rodrigues Leite

Compartilhe

Fonte: Google imagens

A atenção mundial está voltada para os problemas de saúde causados pelo Corona Vírus. Essa pandemia tem provocado terror e medo entre as pessoas por todos os cantos do planeta, preocupando todas as nações, povos e línguas. Cientistas trabalham arduamente em busca de uma vacina que imunize a população deste mal que afetou diretamente a vida de todos os seres humanos, seja pelo medo da contaminação direta, ou pela recessão da economia mundial.
Mas, infelizmente, outros problemas sérios continuam afetando a vida das pessoas, causando grandes males, muitas vezes fatais.
Um desses problemas é a dengue. O mosquito Aedes Aegypti continua proliferando suas larvas, e infectando milhares de pessoas com essa doença, tão letal quanto as demais.
Só em Marília, nas nove primeiras semanas do ano de 2020, já somamos 328 casos, segundo o Portal Saúde do Governo Estadual, sendo confirmado um óbito. O pico do problema será nos meses de abril e maio, onde a temperatura é propícia para que as fêmeas depositem seus ovos em locais com água parada.
É óbvio que o Corona Vírus merece o foco principal neste momento, devido a rápida propagação, mas não devemos desconsiderar os demais problemas de saúde. Cabe a nós, cidadãos, fazermos nossa parte, cuidando dos nossos quintais e eliminando possíveis criadouros.


No ano de 2019, Marília teve 2.957 casos confirmados, e o foco estava voltado no combate ao mosquito transmissor. Neste ano, nossas atenções estão voltadas a essa pandemia mundial, com todas as autoridades médicas e sanitárias focadas nas orientações e cuidados sobre higiene pessoal e contatos sociais, ficando a dengue em segundo plano, quase sem nenhuma atenção, o que pode causar uma epidemia sem precedentes. Neste momento, cabe ao cidadão conscientizar-se de sua obrigação em limpar seu quintal, eliminando criadouros, e, sim, denunciar aqueles que não o fazem. A dengue é tão letal quanto o Corona Vírus, e deve ter a devida atenção na mesma proporção. De nada adiantará preservarmos vidas contra um determinado vírus, e permitirmos óbitos através de outros.


Compartilhe

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*