Artigo: “Nascentes urbanas: a preservação também depende de você”, por Cassiano Rodrigues Leite

Compartilhe


© Fotos Felipe Pereira Leite


Ao longo dos anos, o desenvolvimento urbano trouxe sérios problemas ao meio ambiente, com derrubada de vegetação nativa e assoreamentos de nascentes. Como consequência, perdemos a biodiversidade e sofremos com o aquecimento global. A legislação antiga foi revisada, e o Novo Código Florestal deu mais força a fiscalização sobre o tema. Atualmente, para licenciamentos ambientais, deve-se cumprir as exigências previstas em leis específicas, sob fiscalização de diversos órgãos ligados ao meio ambiente, como CETESB, Polícia Militar Ambiental, Prefeitura, Ministério Público, e demais setores competentes relacionados ao assunto.


Assim, a sustentabilidade, antes inexistente nos dicionários ambientais, passou a ocupar espaço nos centros urbanos, promovendo o desenvolvimento socioeconômico com o equilíbrio ambiental.
Áreas verdes são contempladas nos projetos de novos loteamentos. Plantios de árvores são obrigatórios nos passeios públicos, e nascentes recebem espaços privilegiados em Áreas de Preservações Permanentes, para que suas matas ciliares se desenvolvam de forma sadia, mantendo as características, permitindo a salvaguarda da biodiversidade regional.
Obviamente, nem sempre encontramos nascentes com estas características. Ainda há quem descarte resíduos nestes locais, inclusive, aterrando os olhos d’água. A criação de animais de grande porte, como bovinos e equinos também comprometem a preservação das nascentes, e este tipo de atividade em área de preservação é proibida, sendo considerada crime ambiental.
É responsabilidade apenas do poder público preservar o meio ambiente? Não. O meio ambiente sadio e equilibrado garante a vida no planeta, beneficiando todos os seres vivos. Então, torna-se claro que cuidar do meio ambiente é salvar vidas. As nossas vidas! Portanto, é obrigação nossa cuidar e agir como agente fiscalizador desse patrimônio da humanidade, colaborando para um planeta sustentável, garantindo as condições adequadas de vida para a nossa geração, e permitindo que as gerações futuras tenham a oportunidade de desfrutar de um meio ambiente sadio e equilibrado, assim como recebemos de nossos ancestrais.
É possível, então, promover o desenvolvimento urbano em equilíbrio com o meio ambiente, garantindo a sustentabilidade no planeta. Preservar o nosso ecossistema é o ponto de partida para termos as condições ambientais adequadas, garantindo a existência de vida na Terra. A sua parte é não descartar resíduos em locais inapropriados, não atear fogo em matas e terrenos, e não interferir em áreas de preservação. Gestos simples e básicos da educação ambiental, que garantirão uma qualidade de vida melhor a você e aos seus familiares, tanto agora, como para as gerações que aqui residirão futuramente.


Compartilhe

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*