Artigo: “Um Jardim Botânico em Marília”, por Gustavo Perez

Compartilhe

 

Gustavo Perez

Professor Gustavo Perez

A cidade de Marília carece de áreas verdes, segundo a ONG MATRA* Marília tirou nota zero em arborização no Programa Verde e Azul em 2020:  “A cidade jamais recebeu o troféu Franco Montoro, que reconhece a política pública voltada para a sustentabilidade e proteção dos recursos naturais. ”

A dificuldade da arborização na cidade de Marília não é apenas um problema do poder público, mas também uma questão cultural ou quem nunca ouviu a estória de que onde há árvores os criminosos podem se esconder lá. A recente danificação de árvores apontada pela prefeitura** bem como o descarte incorreto do lixo em espaços públicos são demonstrações de que a cidade precisa de novos espaços de educação ambiental.

Espaços estes que permitam aos habitantes da cidade ter o contato com a natureza e reconhecê-la como parte de si. Não apenas meros espaços verdes como pequenas praças, mas parques de grandes proporções a semelhança do nosso Bosque ou de Parques estaduais de maior conhecimento como Trianon e o Ibirapuera na cidade de São Paulo. Grandes áreas verdes que permitam aos munícipes a interação com o verde e a recreação.

Nossa cidade não carece apenas de áreas verdes como parques, mas precisa de um Jardim Botânico, com um Centro de Estudos e Pesquisas que permitam visitas da população local. Um centro dotado de infraestrutura que permita receber estudantes das escolas públicas e privadas do município, que seja escola ambiental da cidade ensinando aos mais jovens e a população sobre o bioma da Mata Atlântica e os problemas ambientais.

A própria prefeitura poderia por meio dos institutos públicos estaduais nela existentes realizar uma parceria com governo do estado para a implantação de um curso de biologia com ênfase em botânica e biodiversidade para estudo da fauna e flora local.  A questão ambiental hoje deve ser tratada não apenas com meio de recreação e embelezamento da cidade, mas sobretudo como política de saúde pública. Uma cidade mais arborizada é menos quente, uma cidade que trata seu esgoto e cuida de suas nascentes não sofre com escassez d`água, uma cidade que descarta corretamente seu lixo tem menos doenças.

Gustavo Perez, professor da Rede Estadual de Educação, Cientista Político graduado pela UNESP de Marília e membro do PT.

*http://matra.org.br/2020/03/09/marilia-tira-nota-zero-em-arborizacao-urbana-no-programa-municipio-verde-azul-2020/#:~:text=Mar%C3%ADlia%20tira%20nota%20zero%20em,Munic%C3%ADpio%20Verde%20Azul%202020%20%2D%20MATRA&text=Mar%C3%ADlia%20amargou%20resultados%20insatisfat%C3%B3rios%20na,que%20envolveu%20613%20cidades%20paulistas.

**https://www.marilia.sp.gov.br/portal/noticias/0/3/8724/prefeitura-repudia-crimes-ambientais-ocorridos-contra-a-arborizacao-urbana?fbclid=IwAR2mPwQC4DlCLr5mKR_ua8lAxX48bv5CAW4-uRx_YQmLJbLYcMVNTnVOiNk

 


Compartilhe

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*