Bauru registra quase 16 mil casos de dengue em 2019

 

Por Bruno Bocchini – Repórter da Agência Brasil  São Paulo

De acordo com a prefeitura, os altos índices da doença estão ligados a quantidade recorde de precipitações no município. Em março, por exemplo, houve o registro de 273,1 milímetros de chuva, recorde dos últimos 28 anos. Além disso, segundo a administração municipal, o sorotipo dengue 2, que está presente na cidade, causa maior quantidade de notificações.

“A circulação do sorotipo dengue 2, que não era registrado há muito tempo, encontrou uma população suscetível e com menor memória imunológica. O sorotipo-2 causa uma sintomatologia mais intensa, que reflete na maior procura pelos serviços de saúde e, consequentemente, acarreta em uma maior notificação de pacientes nas unidades de saúde”, destacou a prefeitura em nota.

Nebulização

A Secretaria de Saúde do município informou que o inseticida usado nas máquinas de nebulização veicular, conhecida como fumacê, está em falta no Brasil. Sem o produto, a prefeitura teve de suspender o cronograma de nebulização na cidade. O inseticida, que é capaz de matar o mosquito apenas na fase adulta, é fornecido pelo Ministério da Saúde.

Em nota, o ministério afirmou que não deixou de fornecer os insumos considerados estratégicos aos estados para controle de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, como o inseticida Malathion. De acordo com a pasta, somente nos quatro primeiros meses de 2019, o estado de São Paulo recebeu quantitativo maior do produto (50 mil litros) que em todo o ano de 2018 (40 mil).

A pasta informou, no entanto, que a empresa produtora do Malathion teve de recolher 105 mil litros do produto para testes e ensaios de qualidade, devido a problemas em sua formulação. A quantidade recolhida deverá ser devolvida ao Ministério da Saúde em junho.

“É importante destacar que o uso do adulticida é a última estratégia de enfrentamento ao problema da zika, dengue e chikungunya, visto que, nesta fase, o mosquito já atingiu a fase adulta. A medida mais eficaz é a eliminação de focos de multiplicação do mosquito (água parada), evitando que eles nasçam. Por isso, o envolvimento da sociedade é fundamental”, destacou o ministério em nota.

Edição: Narjara Carvalho

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*