Cassiano Rodrigues Leite: A Água Nossa de Cada Dia

Embora denominemos nosso planeta como Terra, cerca de 71% de sua superfície é coberta por água, proporcionando aquela linda imagem azul, tal qual um diamante, quando visto do espaço.
A água potável, ou água doce, disponível na natureza, é bastante restrita. Cerca de 97,61% da água total do planeta é salgada, proveniente dos mares, oceanos e lagos salgados. Calotas polares e geleiras representam 2,08%; águas subterrâneas 0,29%; água doce de lagos 0,009%; água misturada no solo 0,005%; rios 0,00009%, e vapor d’água na atmosfera 0,0009%.
Diante desses percentuais, somente 0,02% está disponível em lagos e rios que abastecem as cidades e pode ser consumida. Dessa restrita porcentagem, uma grande parcela encontra-se poluída, diminuindo ainda mais as reservas disponíveis. Estes números tornam-se mais preocupantes, quando consideramos a maneira em que tratamos esse bem essencial para a existência da vida na Terra.
Em Marília, através de georreferenciamento realizado pela engenheira florestal Priscila Gabriela da Silva Duarte, foram localizadas 113 nascentes em áreas urbanas, em sua grande maioria poluídas, ou sob graves riscos de assoreamento por entulhos de construções ou erosões por falta de mata ciliar.
Não há mais tempo para esperar ações deste ou daquele setor. O momento exige a união de todos os cidadãos, empresários e poder público, preservando cada uma dessas nascentes, antes que as percamos de forma irreversível. Leis precisam ser criadas, promovendo incentivos fiscais aos empresários que queiram adotar essas nascentes e possam cuidar, em conjunto com associações de bairros, escolas e demais instituições e classes organizadas.
A ONU – Organização das Nações Unidas – divulgou uma nota com uma previsão de que até 2050, aproximadamente 45% da população não terá a quantidade mínima de água para sobrevivência. Segundo estimativas, existem atualmente cerca de 1,1 bilhão de pessoas sem acesso à água potável.
Temos, ainda, a oportunidade em preservar esse bem essencial a existência da vida na terra. Mas não há tempo para cobranças e discussões. É hora de somarmos forças e agirmos!

Compartilhe
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter
Instagram

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*