Últimas

Coluna de História: O Pau Brasil

Compartilhe

Pau Brasil provocou o primeiro desastre ecológico do país

Ciclo do Pau-Brasil aconteceu no decorrer da fase pré-colonial do Brasil, entre os anos de 1500 e 1530, na mesma época em que houve o Descobrimento do Brasil. A madeira de Pau-Brasil foi a primeira matéria prima a ser explorada pelos portugueses durante o período da colonização do país.
O ciclo do Pau-Brasil foi a primeira atividade econômica do país.
A árvore de Pau-Brasil dá flores amarelas, mas sua característica principal é o extrato existente no interior do tronco. (Foto: Pixabay)

O Ciclo do Pau-Brasil

O ciclo do Pau-Brasil aconteceu porque a árvore de Pau-Brasil, uma riqueza natural e nativa da Mata Atlântica foi encontrada em abundância, no território brasileiro. Essa árvore era utilizada pelos índios nativos da nova terra, como tintura para os corpos.
A tinta da árvore do Pau-Brasil tem a coloração vermelha e a madeira era facilmente encontrada nas regiões costeiras do país, isso acabou facilitando a exploração da riqueza natural. Os portugueses logo perceberam o grande potencial dessa matéria prima.
O produto foi logo enviado para os países da Europa, pelos portugueses, onde obteve fácil aceitação e logo fez concorrência com os produtos dos árabes, que vendiam uma outra espécie de planta tingidora originária da Índia.
Desde o começo do século XVI, a Coroa Portuguesa cobrava altos impostos para a exploração do Pau-Brasil. Naquela época, foi necessário organizar três diferentes expedições para explorar o Pau-Brasil: a primeira expedição aconteceu em 1502, a segunda expedição ocorreu em 1503 e a terceira expedição aconteceu em 1504.

A Extinção Provocada pelo Ciclo do Pau-Brasil

Depois da longa e intensa exploração que aconteceu no ciclo do Pau-Brasil, a matéria prima acabou entrando em processo de extinção. Como não havia mais a madeira na costa brasileira, no começo do século XVI, os portugueses se submeteram a utilizar o método de trocas com os índios, para obterem o Pau-Brasil.
Mais tarde, os portugueses decidiram escravizar os índios e obriga-los a cortar as árvores por todo o sertão, isso porque os escravos africanos eram muito caros. Lidar com os índios não era fácil, pois eles fugiam e os portugueses não conseguiam capturar, já que os nativos tinham maior conhecimento do território.
Apesar disso, os índios do Brasil contraíram várias doenças do homem branco e isso provocou a morte de milhares deles. No ano de 1570, a escravidão indígena foi proibida por lei, mas mesmo assim, a escravidão teve continuidade até o fim do século XVIII. Gradativamente, os índios foram sendo substituídos por escravos africanos.
Mesmo que boa parte da exploração de madeira no ciclo do Pau-Brasil tenha sido realizada durante a primeira década, ela conseguiu se manter firme até o século seguinte, quando enfim, perdeu a importância no mercado consumidor.
Esse declínio ocorreu por causa do alto custo do transporte e também porque outra matéria prima começava a ser comercializada, dando espaço para o ciclo da cana de açúcar.
Na atualidade, o Pau-Brasil é muito usado para a confecção de instrumentos musicais. A madeira de Pau-Brasil concentra a densidade ideal, que possibilita um timbre perfeitos para os instrumentos, especificamente, os violinos e violoncelos.
Diferentemente da antiga política de exploração praticada pelos portugueses e depois pelos franceses, até o desaparecimento do recurso natural, atualmente existem alguns projetos bastante eficazes de reflorestamento. Depois de cerca de cinco séculos correndo risco de extinção, a árvore do Pau-Brasil voltou a estar presente na natureza do território nacional.
O ciclo do Pau-Brasil quase provocou a extinção da árvore de Pau-Brasil.
O Pau-Brasil é uma árvore de porte bem variado, pode alcançar até 30 metros de altura. (Foto: Wikimedia Commons)

As Curiosidades do Pau-Brasil

• Características – a árvore do Pau-Brasil cujo nome científico é “Paubrasilia Echinata”, atinge uma altura entre 10 e metros e existia em abundância na Mata Atlântica na época do Descobrimento do Brasil pelos portugueses, em um período denominado de ciclo do Pau-Brasil. Ela tem o tronco reto e relativamente fino, de cor cinza escura, dá flores amarelas e possui um extrato interior que gera uma tinta vermelha.
• Data nacional – o extrativismo do Pau-Brasil ocorreu por todo o país em dezembro de 1978, a árvore foi declarada como patrimônio nacional, por meio da Lei nº 6.607. Foi declarado ainda que, o dia 03 de maio seria o dia oficial da árvore, sendo ela a única protegida por lei, em terras tupiniquins.
• Economia – o ciclo do Pau-Brasil foi o primeiro ciclo econômico do Brasil e aconteceu às custas da madeira-símbolo do país. Muitas pessoas ficaram ricas com o extrativismo que teve estabilidade até o ano de 1875, eles exportavam o Pau-Brasil para a fabricação de corantes, a construção naval e a marcenaria de luxo.
• Extinção – no decorrer do ano de 1928, estudiosos acreditavam que não existia mais nenhuma árvore de Pau-Brasil crescendo de forma espontânea no território nacional. Nesse mesmo ano, um estudante de Agronomia encontrou uma única árvore florescendo na área onde atualmente, está localizada a Estação Ecológica da Tapacurá, administrada pela Universidade Federal Rural de Pernambuco.
• Nome antigo e nova nomenclatura – a árvore do Pau-Brasil se chamava “ibirapitanga” em tupi guarani, “ybirá” significa “árvore” e “pitanga” simboliza o “vermelho”. Na época em que os colonizadores descobriram o Brasil, se referiram à árvore como “bersil” que significa “brasa”. Gradualmente, ela foi sendo chamada de Pau-Brasil e ficou conhecida também como pau-vermelho, pau-pernambuco, arabutã, ibirapitã, muirapiranga, orabutã, pau-rosado e pau-de-tinta.
• Nome de povoados – em uma expedição realizada no ano de 1981, pelo Brasil, o botânico Francismar Francisco Alves Aguiar encontrou vários vilarejos denominados de Pau-Brasil.
• Pena de morte – no final do ano de 1700, cortar uma árvore de Pau-Brasil poderia ser motivo para a pena de morte. Mesmo com esse risco, ela era comercializada de forma desordenada, principalmente no estado do Espírito Santo.
• Saúde – a Universidade de Pernambuco realiza um longo estudo sobre as propriedades medicinais do Pau-Brasil. Há indícios de que a árvore possa ser antineoplásica, ou seja, tem a capacidade de combater alguns tipos de tumores. Nos estudos realizados com ratos de laboratório, a ocorrência da doença diminuiu até cerca de 87%.
• Violino – no ano de 1775 foi descoberto que o Pau-Brasil era interessante para fazer os arcos do instrumento violino. Nesse ano, o fabricante de arcos francês François Xavier Tourte (1747 – 1835) criou o primeiro arco com essa madeira, em Paris – França. Ele nomeou o arco de Fernambouc, pelo fato de ter colhido a matéria prima no estado de Pernambuco. Atualmente, madeiras de Pau-Brasil são exportadas para Alemanha, França e Estados Unidos com objetivo de fabricar instrumentos.
https://www.educamaisbrasil.com.br/enem/historia/ciclo-do-pau-brasil

Compartilhe

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*