Coluna Social_ Regina Helena + Glauco Toth “By Life”

Compartilhe


Casal Destaque: Júnia e Carlos Coércio (Guru)


Foto é Fato: Reinaldo Rossato em ritmo de Parabéns.


Cid Cândido de Oliveira perfeito em tudo que faz.


Porta Retratos: Catharina Edna Jorge e sobrinha neta Louise Jorge.


O associado de Lions Clube de Marilia Terceiro Milënio, Benedito Mariano Magahães Neto, em entrega de material de higiene e limpeza, na entidade Mansão Ismael, doação esta só possível por conta de subsídio emergencial doado pela Fundação de Lions Internacional, atendendo a pedido do governador do Distrito LC-8, Luiz Gonzaga Conessa, Fundação a qual Benedito Mariano será diretor no clube.  Por sinal, o governador Luiz Conessa esteve representado nas entregas que incluiram ainda o Lar São Vicente de Paulo e Casa do Caminho, pela competente Helena Rubira Bonello Peres, presidente de divisão D-1, quem responde pelos Lions de Marilia e Vera Cruz. Benedito e Helena formam um casal dos mais destacados do movimento leonístico.


Só Sorrisos: George Thomé e Fátima relemmbrando momentos de sonhos.


“PARA LER E PENSAR”

 

©Crédito da foto Site dhgate.com

Dez marcas que não tiveram muito sucesso no Brasil

1- Alfa Romeo
A italiana Alfa Romeo que fez fama nas competições e foi o carro de corrida de Enzo Ferrari, chegou no Brasil em 1974 com o modelo 2300, mas seu requinte e sofisticação não justificavam custar o dobro de um Chevrolet Opala, fazendo com que deixasse de ser produzido em 1986. Em 1991, a marca voltou ao Brasil com os modelos importados 164, 155, 145 que em 1998 foram sucedidos pelos 166, 156 e 147 e duraram até o ano de 2006. O maior erro da marca foi não ter comercialização e oficina próprios, dependendo das concessionárias Fiat, o que tirava o glamour da marca. Um ponto de venda exclusivo foi montado em 2002 em São Paulo, mas já era tarde demais, a imagem da marca já estava maculada a Fiat, uma marca mais popular.

2- Lada
Marca russa, chegou no Brasil em 1990, mas só ficou até 1995. Seus veículos sofriam com a nossa gasolina misturada com etanol e sua carroceria enferrujava com facilidade.

3- MG
Durou apenas 2 anos por aqui, de 2011 até 2013. Possuía apenas um ponto de venda e um modelo, o 550. Importado da Chiha apesar de ser uma marca britânica.

4- Daihatsu
Marca da Toyota, a coreana até que vendeu bem por aqui o hatch Cuore e o jipinho Terios no início das importações em 1994, porém, a crise asiática e a alta do dólar a afastou do nosso país.

5- Aston Martin
A conhecida marca do carro do 007, chegou em 2010 e até 2017 ( ano da sua despedida), vendeu apenas duas unidades do modelo Vantage.

6- Geely
Dona da Volvo, a chinesa Geely trouxe o sedã EC7 e o hatch GC2 em 2014. Vendeu pouco mais de 1000 veículos até 2016.

7- Seat
Espanhola do grupo Vw durou 7 anos ( 1995 a 2002) com os modelos Córdoba, Ibiza, Inca e Vario, mas a concorrência interna com a marca alemã decretou o fim das importações.

8- Mazda
A japonesa de Hiroshima vendeu seus carros no Brasil de 1990 até 2000 os confiáveis MX3, MX5, 626, 929, MPV e a pick up B2000, mas a alta do dólar tornou inviável a importação dos modelos.

9- Saab
Importado pela GM em 1991, o único modelo da marca sueca, o 9000 vendeu apenas 34 unidades no Brasil e como haviam importado 50 carros, 16 tiveram que retornar a Suécia por não acharem compradores interessados. Uma das unidades vendidas aqui serviu como Safety Car do Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 de 1991.

10- Mahindra
Para ganhar território em 2007, a indiana Mahindra até iniciou produção local. Mesmo assim, dificuldades financeiras obrigaram a empresa se despedir em 2015, já que, suas vendas minguaram para menos de 500 unidades anuais.



Compartilhe

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*