Últimas

Coluna Social_Regina Helena + Glauco Toth “By Life” – edição 44

Compartilhe

Casal Destaque: Geraldo Lopes Mascarin e Zildinha em clima de feliz comemoração.


Nossa homenagem aos advogados, destacando o Prof. Dr. Teofilo Arêa Leão Jr. que nos brinda, em seu site, com um pouco do Dia 11 de Agosto.

No Brasil, os cursos jurídicos foram instituídos em 11 de agosto de 1827, em Olinda e São Paulo.

O prazer em advogar é um encanto na materialização do direito de um necessitado, o desvendar de um caso com provas concretas enobrece o causídico, a efetividade na realização do direito mitigado ou a supressão das injustas agressões enobrecem o advogado e o torna indispensável à administração da justiça, como reconheceu a CF em seu artigo 133. Profissão verdadeiramente encantadora.

Parabéns aos colegas advogados e àqueles que lutam para extirpar as injustiças (advogados naturais), pela brilhante missão sobre-humana.

Equipe do ARÊA LEÃO ADVOGADOS

* Curiosidade do “pendura”: os estudantes e advogados de direito comemoram o dia do “pendura” em bares e restaurantes, consomem e deixam a conta ‘pendurada’ para que o dono do estabelecimento pague a conta. A tradição, que aparentemente remonta aos tempos do Brasil Império, é uma espécie de homenagem à fundação de dois cursos jurídicos em 1827 pelo então monarca, Dom Pedro I. Segundo Elaine C. Franco, o respeito social pela profissão dos advogados era tanto que comerciantes “faziam questão” de pagar pela refeição dos estudantes de direito.
O “pendura” só funcionaria se os os presentes (“os donos dos estabelecimentos”) concordassem que tais alunos deveriam ser, digamos, “dispensados” de pagar.
Muitas confusões e distorções surgiram com a homenagem ou brincadeira nas últimas décadas.

http://www.arealeao.com/post/13-prazer-indescrit-vel-em-advogar

#advogado #direito #advocacia #oab #advogados #justiça #adv



Porta Retrato: A encantadora colunista social Marilda Serrano, by São José dos Campos (SP/BR) entre neta e filhas: Carla, Bruna, Flávia e Sheila.


Foto é Fato: Nem precisa legenda essa imagem onde irradia alegria. Os primos cantarolando: Lucas, Vítor e Laura


Fundo do Baú: os jornalistas Ligiani Ciola e Carlos Leonel no verão de 2012


Cleber Pereira, nosso assíduo leitor, mariliense residindo em Guarulhos


 



Para Ler e Pensar


O carro de gerações

O Volkswagen Gol, carro mais vendido, mais produzido, mais tempo em produção e mais exportado da história do Brasil não podia deixar de ter histórias curiosas em seu currículo.

Em 31 de Junho de 1983, na cidade de São Paulo, o taxista José Casseta comprou um Gol 1600 S branco para ser seu instrumento de trabalho e após ser utilizado para essa finalidade, passados 37 anos permanece na família e se tornou xodó.

O carro atualmente está sob os cuidados de Daniel Casseta de 37 anos, morador de São José dos Campos e neto do senhor José. Quando Daniel nasceu, foi o Gol que o levou junto da mãe Roseli da maternidade para casa e tudo que seu avô fazia com o carro, de manutenção a uma lavagem, Daniel estava junto.

O Golzinho é da versão S,
mas tem peculiaridades específicas da época para os taxistas como bancos dianteiros mais curtos, carpetes que não forram o assoalho inteiro como nos Fusca, quebra sol e retrovisor só do lado do motorista, não há capa no freio de mão nem saídas de ar laterais e os cintos são todos de duas pontas.

O carro que trabalhou como táxi até 1994 hoje está com placas pretas de colecionador, 86 mil km no hodômetro e fôlego de juvenil. Daniel faz rotineiramente viagens de São Paulo a São José dos Campos para colocá-lo em movimento e resolver qualquer pendência mecânica.

José Casseta faleceu em junho do ano passado aos 93 anos e em memória do seu avô, Daniel nem cogita vender o Gol apesar de já ter tido ofertas tentadoras. Sua intenção é deixar o carro para o seu futuro filho.

Tudo indica que esse Gol, adquirido nos tempos áureos do táxi da cidade de São Paulo, profissão que atualmente se definha devido a concorrência desleal dos carros de aplicativo, ainda permanecerá vivo por várias gerações futuras da família Casseta.

Crédito das fotos
www.quatrorodas.abril.com.br

 



 


Compartilhe

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*