Colunista Aldemir Estevão: A reflexão sobre a falta de investimentos na saúde pública e a necessidade do fortalecimento no SUS

Colunista Aldemir Estevão : Valorização do SUS

 

  Prezado leitor e leitora meu propósito neste artigo é trazê-los a reflexão sobre o quão importante é o Sistema Único de Saúde para toda sociedade.

 As entidades sindicais dos servidores públicos federais há vários anos cobram dos governantes mais investimentos na saúde pública, infelizmente, ao ignorar tais reivindicações destas entidades, a população vem sofrendo com o descaso e a falta de investimentos no (SUS) Sistema Único de Saúde.

O mundo enfrenta o caos com essa pandemia que está preocupando a população, autoridades e principalmente os profissionais da saúde, que não medem esforços para controlar a proliferação e se possível eliminar o Covid-19.

As autoridades sanitárias e epidemiológicas estão pedindo para população não sair às ruas a fim de evitar a proliferação do vírus, evitando aglomerações e a fazer a higienização pessoal, principalmente, a lavagem correta das mãos, pois sabem que nosso sistema de saúde e hospitais não comportam aumento de pacientes.

O coronavírus é a prioridade mundial e no Brasil trouxe toda sociedade rico, classe média e pobres à reflexão sobre importância do (SUS) Serviço Único de Saúde que tem em sua missão a universalidade, equidade e integralidade.

A gestão das ações e dos serviços de saúde deve ser solidária e participativa entre os três entes da Federação: a União, os Estados e os municípios. A rede que compõe o SUS é ampla e abrange tanto as ações, quanto nos serviços de saúde e engloba a atenção primária, média e alta complexidades, os serviços de urgência e emergência, a atenção hospitalar, as ações e serviços das vigilâncias epidemiológica, sanitária e ambiental e assistência farmacêutica.

Diante da pandemia do coronavírus profissionais de saúde foram homenageados com aplausos, mas infelizmente, não é o suficiente e não deveria ser desta forma o reconhecimento destes profissionais valorosos que curam, salvam vidas e de suma importância para a população.

Estamos assistindo, lendo e ouvindo nos meios de comunicação, não apenas os baixos salários destes profissionais valorosos, mas, a falta de condições de trabalho e equipamentos obsoletos e quebrados, essenciais para salvar vidas.

E isso tudo acontece na saúde pública pela falta de investimentos na área.

Quando faltam investimentos no serviço público ou tiram o pouco que lhe restam, a saúde da população fica vulnerável e desprotegida.

A Emenda Constitucional 95, aprovada em dezembro de 2016, que congela e impede o aumento dos investimentos públicos por 20 (vinte) anos traz consequências trágicas para a saúde das pessoas.

Com o aumento da população, também aumentam as epidemias e toda sociedade sofre pelo descaso dos governantes.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal no Estado de São Paulo (Sindsef/SP) é o caso do sarampo que em 2016, o Brasil recebeu o certificado de eliminação da circulação do vírus dessa doença pela Organização Mundial da Saúde – (OMS).

Em 2018, o nosso país enfrentou a volta desse vírus, com a ocorrência de surtos em 11 Estados. Foram 10.326 casos de sarampo confirmados: Amazonas (9.803), Roraima (361), Pará (79), Rio Grande do Sul (46), Rio de Janeiro (20), Sergipe (4), Pernambuco (4), São Paulo (3), Bahia (3), Rondônia (2) e Distrito Federal (1).

E agora, o que fazer em tempos de coronavírus, sarampo e tantos outros problemas que preocupam os brasileiros?

A sociedade precisa refletir e cobrar mais investimentos no SUS e fortalecer os serviços públicos, cobrar dos agentes públicos (políticos) mais verbas para a saúde, educação, ciência, para benefício daqueles que sustentam a máquina pública através dos seus impostos e taxas.

Para que isso ocorra, precisamos de imediato cobrar dos deputados e senadores a revogação da Emenda Complementar 95 e isso só será possível através da união e pressão popular.

Os governantes precisam entender que devem valorizar os servidores públicos, independente da esfera de governo com salário dignos para sua subsistência e garantir seus direitos e principalmente estruturas e equipamentos para exercerem suas atividades profissionais.

Quero aproveitar este espaço e citar um exemplo de reconhecimento e valorização desses profissionais e que é louvável o projeto aprovado na Câmara Municipal de Marília na última segunda-feira de autoria do vereador Danilo da Saúde, que segue abaixo:

Projeto de Lei Complementar         Número: 3/2020 Inclui art. 120-b a Lei Complementar nº. 11/1991 – Código de Administração do Município de Marília, estabelecendo que o adicional de insalubridade devido aos agentes comunitários de saúde e de endemia, deve ser pago nos termos da Lei Federal nº. 11350/2006.

Agora é aguardar a sanção do prefeito de Marília.

Aldemir Estevão:  Especialista em Gestão Pública e Responsabilidade Fiscal e Delegado do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Federal em São Paulo

Presidente da Associação dos Técnicos de Segurança do Trabalho de Marília e região

Facebook: Aldemir Estevão

 

Compartilhe
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter
Instagram

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*