Colunista ALDEMIR ESTEVÃO entrevista DR. RICARDO RUIZ CAVENAGO

 

Dr. Ricardo Ruiz Cavenago e o colunista Aldemir Estevão

Assim que iniciamos nossa coluna falamos que iríamos entrevistar alguns profissionais renomadas em diversas áreas e temos o prazer de iniciar nossa primeira entrevista com o Dr. Ricardo Ruiz Cavenago – Advogado e Consultor Jurídico – Contencioso Cível, Empresarial e Trabalhista.

 

Dr. Ricardo, agradeço por ter aceitado nosso convite para esclarecer algumas dúvidas aos leitores, trabalhadoras e trabalhadores que nos acompanham toda sexta feira nesta coluna.

 

Apesar de ter entrado em vigor em 2017, a Lei 13467 conhecida como Reforma Trabalhista sancionada pelo Presidente Michel Temer ainda trás algumas dúvidas em determinadas questões.

 

Essa lei altera a Consolidação das Leis Trabalhista (CLT) de 1943, o que isso significa?

 

Sim. A Lei 13467/2017 trouxe inovações as normas do trabalho tanto aquelas referentes ao direito material, ou seja, criando e alternado normas relacionadas aos direitos e obrigações de empregadores e trabalhadores, por exemplo, prazo para pagamento das verbas rescisórias em 10 dias para qualquer modalidade, mas também repercussão de ordem processual, especialmente o ônus de sucumbência e ao pagamento de custas processuais para os litigantes em processo trabalhista.

 

A Lei 13467/17 conhecida como reforma trabalhista e introduziu o trabalho intermitente no seu texto, o que é trabalho intermitente?

 

O trabalho intermitente está previsto no artigo 443, parágrafo 3º da CLT, que assim definiu o trabalho intermitente: “Considera-se como intermitente o contrato de trabalho no qual a prestação de serviços, com subordinação, não é contínua, ocorrendo com alternância de períodos de prestação de serviços e de inatividade, determinados em horas, dias ou meses, independentemente do tipo de atividade do empregado e do empregador, exceto para os aeronautas, regidos por legislação própria.”

 

Como é remunerado o trabalhador contratado nesta modalidade?

 

O trabalhador é remunerado pelas horas efetivamente trabalhadas ao empregador. Importante destacar que é realizado um contrato de trabalho estabelecendo como o trabalho será desenvolvido, a quantidade de horas a ser desempenhadas, o valor a ser recebido pelas horas trabalhadas, etc.

 

O período que não estiver realizando nenhuma atividade, o trabalhador poderá ser contratado por outra empresa na mesma modalidade?

 

Sim. Nada impede do trabalhador trabalhar por exemplo em dois restaurantes. Em um exerce a função de garçom no almoço. A noite exerce a mesma função num restaurante servindo jantares. Enfim, há esta flexibilidade na atual legislação.

 

Se o trabalhador não prestar serviço contínuo para o mesmo empregador, como será contado o período para gozar férias e 13º salário?

O valor das férias deve ser incluído no valor das horas trabalhadas. E tal situação deve constar no contrato de trabalho feito entre as partes. O gozo das férias pode ser feito num momento posterior. Contudo o trabalhador nada receberá pois tal direito já foi pago durante a vigência do período aquisitivo de férias. A mesma coisa se dá com o décimo terceiro salário, descanso semanal remunerado, e eventuais adicionais de periculosidade e insalubridade, quando devidos.

 

Em julho completou dois anos de aprovação da reforma trabalhista, com essa flexibilização da CLT, como ficou o acesso do trabalhador a justiça do trabalho para reivindicar seus direitos trabalhistas?

 

Importante frisar que a Constituição Federal garante a todos os brasileiros e estrangeiros residentes ou não no País o direito à justiça em caso de lesão ou ameaça de lesão a qualquer direito. Assim, parte-se da premissa que o acesso a justiça deve ser universal a todos.

Desta forma, com relação ao acesso ao Poder Judiciário nada mudou. Porém, a nova legislação traz consequências para aquelas famosas “aventuras jurídicas”, onde se pedia várias coisas que sabidamente o trabalhador não tinha direito, mas obrigava o Empregador a contestar todas elas, e ao final não gerava nenhuma consequência.

Neste ponto, entendo que a reforma trabalhista traz maior equilíbrio entre os litigantes, obrigando o empregador a ser mais prudente em sua pretensão e somente pleitear aquilo que lhe é devido por direito. Ressalto que a análise deve ser feita por advogado, de confiança do trabalhador, para que lhe oriente na forma de proceder, evitando, assim, o risco de sucumbência e pagamento de custas processuais.

 

Houve aumento ou diminuição no número de processos?

 

Antes da reforma houve uma avalanche de ações ajuizadas. Após o número de processos diminuiu.

 

O que é sucumbência?

 

Primeiro é preciso esclarecer que estamos tratando de honorários advocatícios. A sucumbência ou honorários de sucumbência são pagos ao advogado que representou a parte vencedora do processo. Se no processo houver vencidos e vencedores, ou seja, a ação for julgada parcialmente procedente, o juiz deverá arbitrar o pagamento de honorários de sucumbência da parte adversa a todas as partes. Ressalto que os honorários advocatícios sejam eles contratuais ou sucumbenciais possui natureza alimentar.

 

A responsabilidade de o trabalhador pagar as sucumbências, afastou os trabalhadores de recorrerem atrás de seus direitos trabalhistas?

 

Entendo que não. O que pode ter havido é um pouco mais de consciência na hora de ajuizar uma reclamação trabalhista, sopesando prós e contras. O risco da sucumbência é inerente aos processos. Mas com a análise dos fatos feita por advogado de confiança do trabalhador, certamente este lhe orientará a tomar sempre a melhor decisão.

 

 

Aldemir Estevão é servidor da Secretaria do Trabalho/ME e

Especialista em Gestão de Pessoas e Segurança do Trabalho

 

 

Whatsapp: (14) 99810-8686

Facebook: Aldemir Estevão

Compartilhe
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter
Instagram

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*