Últimas

Complexo do HC de Botucatu reduz emissão de Gases de Efeito Estufa em 2019

Compartilhe

Hospital participa da Rede Global de Saúde Sem Dano desde 2013, para implantar ações mais sustentáveis dentro do serviço

 | Do Portal do Governo

Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB), vinculado à Universidade Estadual Paulista (Unesp), conseguiu diminuir em 32,35% a emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE) em 2019, se comparado com o ano de 2015.

Por meio de sua Unidade Especial de Saúde Sustentável (UESS), o HC participa da Rede Global de Saúde Sem Dano desde 2013, com o intuito de implantar ações mais sustentáveis dentro do serviço e promover a conscientização dos servidores. Em 2015, a equipe da UESS começou a medir os GEE emitidos, participando de um desafio global para a redução de sua emissão até 2020.

A coordenadora da UESS, professora Karina Pavão, reforça que houve a participação de diversos setores nessa conquista. “Esse resultado é fruto de um grande trabalho em equipe de várias áreas, em especial da Comissão de GEE, criada em 2019 para investigar e diminuir vazamentos e outros problemas que contribuem para a alta emissão destes gases”, afirma ao Portal do HC de Botucatu.

Entre os gases que tiveram maior queda em sua emissão, o óxido nitroso teve uma redução de 64% em relação a 2018 – ele é 300 vezes mais potente para o efeito estufa do que o gás carbônico.

Fenômeno

A professora Karina Pavão explica que o efeito estufa é um fenômeno natural importante para a manutenção da vida no planeta, mas, quando há um aumento descontrolado dos gases que o compõem, a energia que deveria ser refletida é bloqueada, aumentando ainda mais a temperatura do planeta.

Os Gases de Efeito Estufa são os principais fatores que provocam as mudanças climáticas, um dos grandes problemas atuais de Saúde Pública que ameaçam a vida da humanidade.

“Nosso país ocupa a 7ª posição mundial no ranking de emissão de GEE e o setor de saúde, juntando todos os hospitais do mundo, ocuparia a 5ª posição. Os hospitais, no geral, emitem muitos gases de efeito estufa, consomem muitos recursos naturais, utilizam várias substâncias químicas e produzem lixo infectante, o que pode acabar prejudicando o meio ambiente e agravando as mudanças climáticas. Desta forma, é fundamental que os hospitais também sejam sustentáveis em suas ações”, salienta a docente.

A UESS celebra o resultado alcançado em 2019, mas lembra que ainda há muito trabalho a ser feito. “Os números mostram que estamos no caminho certo e que precisamos continuar trabalhando, com a colaboração de todos, para que possamos ter atitudes mais sustentáveis no nosso trabalho e em nossa casa”, conclui a professora.


Compartilhe

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*