Em queda nas pesquisas, Alckmin é rifado até por Michel Temer  

Michel Temer disse que vem sendo procurado “com insistência”

por um “enxame” de tucanos para negociar uma aliança.

O ex-governador e ex-presidente do PSDB Alberto Goldman

reagiu dizendo se tratar de uma “papagaiada”.

Alan Santos/PR

 

“(Temer diz) ‘eles estão me procurando. Eu não telefono e dizem que telefono. Eu não procuro, eles é que procuram’. Para que isso? O que isso interessa a qualquer um? Nem eu leio isso, imagina o cidadão comum. O que é isso? Papagaiada”, afirmou Goldman.

Com a campanha do presidenciável Geraldo Alckmin sendo rifada pelos tucanos diante dos baixos índices apontados em pesquisas, Michel Temer tenta valorizar o seu passe ao dizer em entrevista ao blog do colunista do G1 Gerson Camarotti, que não é ele que está procurando o ex-governador de São Paulo.

“Eu que estou sendo procurado com insistência pelos tucanos. É o Alckmin que está pedindo encontro comigo. Quando vou a São Paulo, é um enxame de peessedebistas (tucanos) a me procurar”, disse Temer. Mas há cerca de um mês a conversa de Temer é que só aceitaria conversar com os tucanos se fosse procurado. Alckmin ligou para Temer dando início a uma aproximação no sentido de alinhar as candidaturas do tucano com a do ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (MDB).

Mas a divulgação da pesquisa de intenções de votos mudou tudo. De acordo com a colunista da Folha, Mônica Bergamo, os próprios tucanos acreditam que a campanha de Alckmin não vai decolar. Na pesquisa CNT/MDA, divulgada esta semana, o ex-governador caiu de 8,6% para 5,3%. Já há previsões de que, nesse ritmo, ele poderia ‘alcançar’ 3% em julho.

O PSDB não quer esperar até julho e nas conversas de bastidores, segundo a colunista, lideranças do PSDB, do PSB e do DEM já cogitam o nome de João Doria na vice de Alckmin, o que abriria caminho a Márcio França em São Paulo. O medo dos tucanos é que Doria reivindique o lugar de Alckmin na chapa, o que ele mesmo já demonstrou querer.

Temer, que tem um índice de aprovação de apenas 4,3%, ainda achou espaço para chutar o pré-candidato tucano ao demonstrar indignação com o fato dos tucanos negarem que Alckmin esteja atrás dele para tratar de eleições.

“Estou indignado. Essa gente está atrás de mim com ânsia. E fica parecendo que sou que estou atrás de Geraldo Alckmin de forma insistente, abanando o rabo”, protestou Temer.

Temer disse que além de Alckmin, ele foi procurado pelo ex-prefeito de São Paulo João Doria (PSDB), pelo governador do estado Márcio França (PSB) e pelos deputados Samuel Moreira (PSDB-SP) e Arnaldo Jardim (PPS-SP). Em seguida, segundo ele, recebeu contato do ex-governador.

“Na sequência, o Alckmin me ligou. Como não pude atender, no dia seguinte liguei para ele”, esnobou Temer.

Ao analisar o quadro político, Temer afirmou que em encontro com o tucano e ex-presidente Fernando Henrique Cardoso alertou sobre a fragmentação das candidaturas da direita que ele agora cham de centro. Segundo ele, se os partidos de centro tiverem de 8 a 9 candidatos nas eleições, já se sabe quem vai ganhar. “Certamente, nenhum de centro”.

Temer avalia que, a esta altura do campeonato, vai ser difícil unir os partidos em torno de uma candidatura, já que há muitas resistências.

Do Portal Vermelho

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*