Empreendedorismo: Start Up de rede social de emprego cresce durante a pandemia em função do aumento de vagas de trabalho

Compartilhe

GOOWIT

 

Dados do Caged mostram que a ocupação intermitente voltou a crescer em meio à reabertura das atividades comerciais e, mesmo com o cenário de Covid-19, cerca de 2,4 mil vagas foram criadas nesse período

Brasil, agosto de 2020: O mercado de trabalho brasileiro tem apresentado uma recuperação considerável, é o que aponta um estudo da FGV do mês de junho. Ainda de acordo os números apresentados, o indicador recuperou, nos últimos três meses, cerca da metade das perdas do trimestre entre fevereiro e abril.

Os contratos intermitentes, que hoje representam 2,4 mil vagas, foram criados nesse período de pandemia e, apesar do impacto direto nos postos de trabalho, essa modalidade de contrato acumula um saldo positivo de 16 mil postos ao ano.

Esses contratos, que foram criados na reforma trabalhista de 2017, voltaram para o radar dos empresários brasileiros em meio à flexibilização da quarentena, por permitir que as empresas chamem os funcionários apenas quando houver demanda e, por isso, paguem somente as horas efetivamente trabalhadas.

Deibson Silva Divulgação

Para muitos, é uma relação mais flexível de trabalho, e parece se adequar a esse momento em que é preciso reabrir as portas para que a economia volte a girar.

De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o Brasil perdeu 331,9 mil postos de trabalho formais em maio (último dado disponível), devido à crise econômica causada pelo novo Coronavírus. E esse fechamento foi praticamente generalizado.

Mediante esse cenário, a startup e rede social de recrutamento, que liga 300 mil usuários cadastrados na plataforma, programou seu algoritmo para fazer o match do candidato com a vaga desejada. O GOOWIT une Inteligência Artificial e People Analytics e faz a recolocação do profissional no mercado de trabalho. Combina desempregados e empresas com 99% de assertividade, reduz o tempo de contratação de 45 dias para 7 dias, além de garantir 30% de aumento na retenção de profissionais evitando, assim, prejuízos, já que Brasil é o 9º país do mundo que mais desperdiça dinheiro nas contratações e demissões.

Ao todo, foi investido R$ 1,4 milhão no desenvolvimento de tecnologias e parcerias (como LinkedIn e Udemy) para compor a rede social, e a expectativa é que o Goowit se torne um unicórnio (empresa que atinge R$ 1 bilhão em faturamento) até 2022.

O acesso é gratuito para os usuários, mas o CEO da Goowit Deibson Silva não parou por aí, colocou à disposição, gratuitamente, uma inteligência artificial, Sherppy para treinar humanos e dar dicas ao desempregado de como voltar para o mercado de trabalho durante a pandemia.

“As mudanças vieram para ficar e o quanto antes o profissional fizer os ajustes, menos danos terá na carreira”, comenta. Com o intuito de ajudar candidato e empresa, foi criado o Sherppy, uma solução em Inteligência Artificial que atua como Mentor Vocacional, ajudando os usuários no desenvolvimento de Soft e Hard Skills (habilidades comportamentais e técnicas, respectivamente).

Sobre Goowit: Primeira rede social do mundo que faz o match ideal entre instituições e profissionais, além de mapear o perfil comportamental de cada candidato por meio de uma inteligência artificial, batizada de Sherppy, voltada especificamente ao people analytics. O Goowit, hoje, conecta mais de 300 mil pessoas a mais de mil empresas cadastradas na plataforma.

Conheça o seu mentor – Deibson Silva: Pesquisador e neuropsicólogo pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). Palestrante internacional e escritor e autor de 2 best-sellers: o Decifre e influencie pessoas e Decifre seu talento. Ele faz parte do seleto grupo de autores brasileiros que tem livro na biblioteca de universidade Harvard. Fundador e CEO do Goowit, rede social profissional focada no desenvolvimento de competências e recolocação do usuário no mercado de trabalho. Foi também criador do CIS Assessment, software e metodologia que já impactou mais de 700 mil pessoas e tem seus resultados validados pelo departamento de Estatística da Universidade Federal do Ceará (UFC) com 98,8% de precisão. Atualmente, também desenvolve projetos com inteligência artificial e machine learning.

 


Compartilhe

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*