Fala de Bolsonaro faz Egito cancelar agenda com chanceler brasileiro  

Às vésperas de o chanceler brasileiro, Aloysio Nunes, chegar o Cairo para uma visita oficial, o governo do Egito cancelou a agenda, por conta da decisão do presidente eleito, Jair Bolsonaro, de transferir a embaixada brasileira em Israel para Jerusalém.

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

 

O ministro das Relações Exteriores desembarcaria na quarta-feira (7) no Cairo e teria compromissos entre os dias 8 e 11 de novembro. Mas o gabinete do ministro confirmou que o governo brasileiro foi informado pelo Egito que a viagem teria que ser cancelada por mudança na agenda de autoridades do país. Não é comum, contudo, no protocolo da diplomacia desmarcar viagens em cima da hora.

Diplomatas brasileiros compreenderam o gesto como uma retaliação às declarações recentes do presidente eleito, Jair Bolsonaro. Ele disse que pretende reconhecer Jerusalém como capital de Israel e que irá transferir a embaixada brasileira de Tel Aviv para a cidade, o que tem desagradado a comunidade árabe.

Fontes dão conta de que a Liga dos Países Árabes enviou inclusive uma nota à embaixada brasileira no Cairo condenando as declarações do presidente eleito. Um grupo de empresários brasileiros já tinha chegado ao Egito para acompanhar o chanceler. Analistas avaliam que a mudança da embaixada pode prejudicar a economia brasileira e acaba envolvendo o país em uma disputa regional. Os países árabes são o segundo maior comprador de proteína animal brasileira.

O presidente da Câmara de Comércio Árabe-Brasileira, Rubens Hannun, queixou-se das repercussões que as declarações de Bolsonaro podem ter. “Já tivemos ruídos com a [Operação] Carne Fraca e com a paralisação dos caminhoneiros, mas conseguimos superar”. Para Hannun, porém, a questão da embaixada é algo muito mais forte e sensível.

Do Portal Vermelho, com agências

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*