Gustavo Perez Pereira Andrade: “Coração de Estudante”

Compartilhe

Gustavo Perez Pereira Andrade

**“Hoje eu tenho que chorar/ Minha casa não é minha e nem é meu este lugar / Estou só e não resisto, muito tenho pra falar” que o petróleo não é mais nosso, que a Amazônia está à venda, que o coração de estudante é novamente sepultado, sem soberania, sem mobilização popular, sem quebra-quebra no sinal.

Nas avenidas: cadê a UNE?  Nas praças: onde estão os estudantes? E a juventude? Mas o slogan diz tudo: resta esperar 2022!! Mesmo que as eleições sejam antidemocráticas com um dos lados com um financiamento ilegal de milhões, mesmo que a legislação eleitoral proíba até propaganda na internet, mesmo que tudo não passe de um jogo de cartas marcadas, a opção é esperar até 2022.

Greve? Não!! Protestar? Também não! Ocupar terras? Não!!  A única alternativa que a esquerda pequeno-burguesa proclama é uma saída eleitoral sem buscar o respaldo das massas, sem mobilizá-las ou organizá-las

 E o discurso nacionalista cedeu a uma defesa vaga das minorias, sem o respaldo de um projeto de emancipação nacionalista de facto com a nacionalização dos bancos, multinacionais e com um plano reconstrução do país através da redistribuição de renda.

Não existe mais o Petróleo é nosso, Amazônia é nossa! Vamos industrializar o país!! Nada se soberania!! É o país a reboque do Google e toda tecnologia internacional, não há sequer um projeto de soberania tecnológica, não há nacionalistas!! A esquerda se colocou numa política de compromissos, enquanto a direita entrega o país ao capital internacional.

As riquezas nacionais são pilhadas, as companhias nacionais são entregues aos mocinhos visionários das companhias ianques, europeias, asiáticas !! Ao povo brasileiro restam pobreza, a fome, a subnutrição e o desemprego.

Por fim, a esquerda pequeno-burguesa só pensa em eleições, mas democracia faz não só no parlamento, mas nas ruas!!

______________________________________________________________________

*É uma música inspirada em Edson Luís, um dos primeiros estudantes mortos pela ditadura militar, em 1968. Os versos foram surgindo um a um, naturalmente. Para batizar, lembrou-se de uma flor muito comum em Minas, a coração-de-estudante. A novidade foi lançada durante as Diretas-Já.

** Trecho da música Travessia cantada por Milton Nascimento.


Gustavo Perez Pereira Andrade, professor da Rede Estadual de Educação, Cientista Político graduado pela UNESP de Marília, ativista do Instituto UNCORA – (Unidos Contra o Racismo) e membro do PT.


Compartilhe

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*