“Marília: Startups, Joint-ventures e Economia local”, por Gustavo Perez

Compartilhe

 

Gustavo Perez

A cidade de Marília precisa promover seu desenvolvimento de forma inovadora, por meio do estimulo estatal, no caso aqui investimento do governo do município na criação de parques tecnológicos locais que incentivem o desenvolvimento de empresas tecnológicas, as startups e a criação de joint-ventures. Podemos definir genericamente startups, como empresas de alta tecnologia ligadas à nova dinâmica da internet.

Para o Sebrae* startup é uma empresa jovem com um modelo de negócios repetível e escalável, em um cenário de incertezas e soluções a serem desenvolvidas … não uma mera empresa …de software, mas também […] de agronegócio ou biotecnologia, por exemplo, … que a web torna a expansão do negócio bem mais fácil.

Segundo o IPEA** a expressão joint-venture quer dizer “união com risco”. Ela, de fato, refere-se a um tipo de associação em que duas entidades se juntam para tirar proveito de alguma atividade, por um tempo limitado, sem que cada uma delas perca a identidade própria […]. Trocando em miúdos são parcerias que podem ser feitas entre empresas locais e transnacionais.

O sucesso do crescimento econômico da China num primeiro momento foi resultado da  mão-de-obra barata e do investimento de capital estrangeiro, mas o governo chinês através das zonas econômicas especiais as ZEES***, criou várias joint-ventures, isto é,  firmou parcerias entre as empresas estatais e internacionais, bem como agora incentiva a criação de empresas de tecnológicas nacionais ou startups […] as grandes empresas chinesas de tecnologia estão colocando dinheiro em startups e em empreendimentos bem sucedidos fora da China, como os aplicativos Snapchat (de conversas e notícias).

O governo chinês aproveitou-se das joint-ventures para melhorar a competitividade das empresas chinesas. Agora estas empresas já consolidadas investem na criação de startups e inovam o mercado chinês gerando muitos empregos por meio do mercado de tecnologia, que precisa de técnicos e uma mão-de-obra qualificada para se desenvolver.

Marília é uma cidade polo servindo de referência para toda uma região, do mesmo modo nosso município deveria ser referência em inovação tecnológica para toda nossa região, impulsionando a instalação de Startups e Join-ventures, reduzindo as alíquotas dos tributos municipais de acordo com custo benéfico de cada empresa instalada. Além disso, o governo local deveria estabelecer parcerias com o governo estadual e federal para Instalação de Institutos de Tecnologia para capacitar os jovens, estimulando a economia local e a geração de emprego e renda.

*https://m.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/artigos/o-que-e-uma-startup,6979b2a178c83410VgnVCM1000003b74010aRCRD

**https://pt.wikipedia.org/wiki/Zonas_Econ%C3%B4micas_Especiais_da_China#:~:text=As%20Zonas%20Econ%C3%B4micas%20Especiais%20da,adaptar%20para%20receber%20empresas%20internacionais.

***https://exame.com/mundo/china-a-patria-das-startups/


 

Gustavo Perez, professor da Rede Estadual de Educação, Cientista Político graduado pela UNESP de Marília e membro do PT.


Compartilhe

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*