MASCULINIDADE(S), por Aline Moraes

MASCULINIDADE(S)

por Aline Moraes

O que é ser homem? As masculinidades ou as identidades de gênero são construídas na esfera social e cultural por uma sociedade. A masculinidade então não é algo natural, ela é socialmente construída e vivenciada historicamente. Variam então de cultura para cultura e no decorrer do tempo.

Nas sociedades ocidentais, entretanto, por meio de discursos e imagens padrões/ modelos (de gênero e sexual) são transformados e dados como natural, real, concreto e acabado e passam a ser referência para todos. Tudo que for à contramão desse modelo é visto como anormal, desvio, erro, antinatural.

Sendo valorizado socialmente, o modelo de masculinidade hegemônica, oculta as multiplicidades do masculino.

Este modelo de masculinidade de acordo com o estudioso Connell, valoriza as seguintes características: ser machista, viril, conquistador e heterossexual; tem que ser forte, corajoso, dominador, destemido; ter sucesso; não deve se emocionar e demonstrar sentimentos; não deve ser fraco, perdedor; deve ser agressivo e ter comportamento de risco. Sendo ainda muito encontrado nos dias atuais.

Autores indicam que a partir do movimento feminista esse padrão de masculinidade não era mais tolerável. Desejava um novo modelo de masculinidade, da qual esse homem pudesse demonstrar seus sentimentos, se emocionar sem constrangimento, ser sensível, realizar os afazeres domésticos, participar da educação dos filhos, amar, ser aceito outras identidades sexuais, dentre outras coisas.

Segundo o pesquisador Silva, cria-se o termo “metrossexual” para dar conta desse novo homem. Modelo criado de acordo com a sociedade de consumo, este novo modelo de homem é mais preocupado com sua beleza estética, com suas roupas, com seu corpo “sarado”, agora todo homem pode se preocupar esteticamente consigo, sem, entretanto, desviar de sua masculinidade de homem viril e/ou de orientação sexual.

Na atualidade parecem surgir novas formas e versões de masculinidades e um maior questionamento sobre o modelo patriarcal, promovendo um enfraquecimento dessa relação de poder e dominação. Acredito ser possível a construção de masculinidades sem hegemonias, podendo ser renovadas e construídas singularmente a cada momento.

Aline Marcela de Moraes, Psicóloga, Técnica em Segurança do Trabalho.

Psicóloga Clínica – CRP: 06/130716 – Facebook: /ammpsicologa – e-mail: alinemarcela_moraes@hotmail.com – Fone: (14) 99679-2161.

 

Compartilhe
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter
Instagram

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*