Mundo das Artes: morte de Tereza Costa Rêgo tem forte repercussão em PE

Compartilhe

O falecimento da pintora Tereza Costa Rêgo neste domingo (26) representa uma grande perda primeiramente para os seus familiares, mas também para a vida artística e política, especialmente de Pernambuco. Tereza morreu aos 91 anos, vítima de complicações por um Acidente Vascular Cerebral (AVC) sofrido no sábado (25).

“O cenário artístico e cultural de Pernambuco ficou menor com a morte de Tereza Costa Rego”, disse o governador Paulo Câmara – FOTO: André Rêgo Barros/Divulgação

O falecimento da pintora Tereza Costa Rêgo neste domingo (26) representa uma grande perda primeiramente para os seus familiares, mas também para a vida artística e política, especialmente de Pernambuco. Tereza morreu aos 91 anos, vítima de complicações por um Acidente Vascular Cerebral (AVC) sofrido no sábado (25). As informações são do site JC NE10

O governador Paulo Câmara (PSB) lamentou a morte de Tereza Costa Rêgo. “O cenário artístico e cultural de Pernambuco ficou menor com a morte de Tereza Costa Rego. É impossível dimensionar em palavras a importância da sua obra para o nosso Estado e para o Brasil”, disse o governador, por meio de nota.

Paulo Câmara destaca que, além de paisagista, doutora em história, militante de esquerda, Tereza Costa Rêgo “era, acima de tudo, uma artista plastica de corpo e alma, que traduzia com beleza e perfeição seus sentimentos nas telas, retratando ali o imaginario popular, nossas lutas libertarias, a forca da mulher, paisagens de Olinda e Recife e tantas outras figuras da nossa cultura”

“Tereza, certa vez, afirmou que ‘pintaria até não poder mais’, e assim o fez. Sua partida fara uma imensa falta a arte brasileira. Quero me solidarizar com todos os seus familiares, amigos e admiradores neste momento de profundo pesar”, finaliza a nota.

Família

A família da artista agradeceu as condolências e mensagens recebidas. “Devemos sempre lembrá-la com amor, gratidão, alegria e saudade por tudo o que Tereza nos proporcionou em vida. Neste momento de dor e profunda tristeza, a família pede aos amigos e amigas, sensíveis compreensões para que ela possa, nos seu convívio, superar a imensurável perda”, diz nota.

Joana Rozowik, neta

Neta de Teresa Costa Rego, a jornalista Joana Rozowik, também manifestou o seu pesar pela perda da avó. “A minha avó era um acontecimento, uma força da natureza. Uma pessoa muito cheia de vida, uma cabeça muito jovem e inquieta. E ninguém está preparado para que uma coisa assim cesse, mesmo ela tendo 91 anos”, diz Joana, também por meio de nota.

Joana diz que a sua avó partiu, mas o seu legado como pintora permanece. “A grandeza de sua obra, sua contribuição para a arte, a cultura e os costumes de nosso país ficam para o mundo. Agora devemos trabalhar para que seu acervo seja preservado e que mais e mais pessoas tenham acesso a ele”, finaliza a nota.

PCdoB

A presidente nacional do PCdoB e vice-governadora de Pernambuco, Luciana Santos, disse em nota que a morte da pintora “deixa uma lacuna irreparável no cenário das artes plásticas no país e um lamento imensurável em nosso peito”. Tereza teve participação na fundação do PCdoB, ao lado do seu marido, Diógenes de Arruda Câmara.

“O PCdoB tem orgulho de ter algumas de suas páginas escritas pelo caminhar de Tereza, que ao lado de Diógenes Arruda, doou energia, tempo e coragem a resistência à ditadura e a construção do nosso partido em tempos tão difíceis. Todos nós, que convivemos com ela, nos sentimos honrados pela presença afetuosa, carismática e generosa e é com grande pesar que assistimos sua partida, ainda que estejamos conscientes que seu espírito jovial, sua arte inconfundível e sua memória vibrante seguirão conosco nos acolhendo e inspirando sempre”, diz trecho da nota.

Geraldo Julio (PSB), prefeito do Recife

“Irrecuperável a perda de Tereza Costa Rêgo, que nos deixou hoje. Artista de profunda sensibilidade, Tereza é um símbolo de resistência e liberdade e um grande exemplo da força da mulher recifense. No ano passado, a Prefeitura do Recife a homenageou na edição da agenda da Secretaria da Mulher, que a cada ano celebra uma grande mulher de nossa cidade. Feliz de poder ter deixado essa pequena homenagem ainda em vida à artista cuja força da obra não deixará morrer o legado. Quero mandar meus mais sinceros sentimentos à família e amigos.”

Jarbas Vasconcelos, senador

“Tereza Costa Rego foi símbolo de uma geração de talentosos pintores pernambucanos. Simples, atenciosa e criativa em sua arte, marcou a vida pelo engajamento social e pela beleza das cores em seu ateliê de Olinda. A notícia de seu falecimento entristece seus admiradores, entre os quais me incluo. Renovo meu reconhecimento e amizade, ao tempo em que levo sentimentos de pesar aos familiares e amigos.”

Antônio Campos, presidente da Fundação Joaquim Nabuco

“Tereza Costa rego foi uma grande artista plástica e uma grande figura humana. Sua relação especial com Olinda está refletida em suas obras. Pernambuco perde uma de suas maiores artistas. Minhas condolências à família”.

Eriberto Medeiros, Presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco

Hoje a artista plástica Tereza Costa Rêgo veio a falecer, entristecendo a cena cultural do nosso Estado. Não faz muito tempo, a Assembleia Legislativa celebrou a obra desta notável pernambucana. Ela recebeu a Medalha Leão do Norte, mérito cultural Gilberto Freyre, em novembro de 2019. Pernambuco agradece sua honrosa contribuição para a arte brasileira e se compadece, junto a seus familiares, amigos e admiradores pela perda. Em nome da Assembleia Legislativa de Pernambuco, estendemos nossas condolências.

Ricardo Leitão, jornalista e presidente da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe)

“Tereza Costa Rêgo foi uma mulher e uma artista que marcou a sua geração pela liberdade com que ela viveu e a criatividade com que exerceu a sua pintura”.

Professor Lupércio, prefeito de Olinda

O prefeito de Olinda, Professor Lupércio, lamenta o falecimento da artista plástica Tereza Costa Rêgo, que com seu talento como artista e paisagista tão bem engrandeceu a cultura de Olinda, onde manteve seu famoso ateliê. Lupércio se solidariza com a família, amigos e admiradores por uma perda tão sentida.

Tereza tornou-se um nome conhecido mundialmente e chegou a dirigir o Museu Regional, o Museu do Estado e o Museu do Mamulengo. e iniciou sua dedicação à pintura aos 15 anos. Durante grande parte da década 1970 viveu no Chile e França, onde obteve o grau de doutora em História, na Escola de Altos Estudos da tradicional faculdade de Sorbonne.


Compartilhe

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*