O Gestor Escolar e o “fantasma” da área financeira: 4 estratégias para gerar resultados, por Josemary Morastoni

Josemary Morastoni é pedagoga, especialista em formação de professores e Coaching Educacional, mestre e doutoranda em Educação e diretora da Faculdade Positivo Londrina. Divulgação

Josemary Morastoni*

A maioria dos gestores escolares temem a administração financeira, principalmente quando estão ingressando no cargo. Costumo brincar que o gestor tem duas alternativas para trabalhar com a gestão financeira: ou aprende, ou aprende. Mas, calma, vou dar uma boa notícia, é possível sim controlar este segmento da sua gestão com certa facilidade.  Ao invés de se lamentar e sofrer por antecipação, corra atrás de formação e informação, já que isto também é uma atitude que faz parte das atribuições da gestão escolar.

Sabemos que a gestão de instituição de ensino transcende os processos de ensino e aprendizagem, as relações e gestão de conflitos, já que nos bastidores existem muitos outros processos burocráticos fundamentais para o seu funcionamento, e, dentre eles, a parte financeira. Abaixo, listamos quatro estratégias para você se organizar e encarar este desafio:

  1. Planeje suas finanças

O conceito de funcionamento de uma escola não se diferencia do funcionamento de uma empresa no campo das finanças, portanto, monte o seu plano de ação, estabeleça metas, estratégias, delegue funções e supervisione tudo. Buscar ferramentas para o controle e a gestão financeira na internet pode ser uma ótima alternativa.

  1. Não esqueça que é uma escola

O funcionamento de uma escola, no campo das finanças, pode não se diferenciar em nada do funcionamento de uma empresa, mas o seu propósito de existência é muito diferente, o qual deve ser colocado como prioridade, inclusive para embasar o funcionamento das finanças. Contemple no seu planejamento as ações e os recursos pedagógicos como prioridade, sempre. Além de saúde financeira, sua escola tem que ser boa no seu propósito inicial, ser uma escola.

  1. Acompanhe e controle

De nada adianta montar um planejamento financeiro, ter um projeto e não o seguir. Adote ferramentas para controlar o fluxo de caixa, pois, são esses controles que irão dizer quando entra e quando sai dinheiro da instituição. Você pode controlar isto com a ajuda de um livro de registros, construído de forma manual, ou, se você é adepto as tecnologias digitais, existem simples ferramentas desde um Excel até aplicativos que lhe permitem entender todo o fluxo financeiro e gerar relatórios mensais, de forma gratuita e de fácil manuseio.

  1. Identifique desperdícios e otimize recursos

Quando você tem o controle de suas contas, mas ainda assim não sobra dinheiro, revise tudo o que é gasto. Muitos gastos podem não estar nas contas mensais, mas em processos diários. Procure onde estão os excessos, às vezes o desperdício com material de limpeza ou de papelaria geram uma demanda de compra e isso impacta no seu orçamento.

Portanto, entendemos que a gestão financeira escolar pode ser compreendida como a análise e o controle de tudo o que for relacionado aos gastos da instituição. Dessa forma, os métodos usados devem garantir a eficiência da escola e manter o nível de atividade desejado. Para fazer uma gestão financeira eficiente, procure equilibrar as contas sem sacrificar a qualidade pedagógica. E nunca esqueça de que a qualidade dos processos de ensino e aprendizagem é tão importante quanto a saúde financeira.

 *Josemary Morastoni é pedagoga, especialista em formação de professores e Coaching Educacional, mestre e doutoranda em Educação e diretora da Faculdade Positivo Londrina.

Compartilhe
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter
Instagram

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*