Partido Novo defende o fim da Universidade Pública: “vai ter muito gás lacrimogêneo”

O ex-presidente do Banco Central (BC) Gustavo Franco, coordenador do programa econômico do pré-candidato à Presidência João Amoêdo (Partido Novo), defendeu nesta quarta-feira, 4, o fim do ensino universitário gratuito.

Barbara Tavares

http://www.esquerdadiario.com.br

Ao participar de evento promovido pela Gazeta do Povo, Franco disse não ver justificativa para que o ensino superior não seja pago pelo que ele chamou de “burguesia endinheirada”.

Gustavo Franco não se importa com o fato do ensino superior público ser em sua grande parte um privilégio para os filhos da elite e não um direito para todos os jovens do país. Não se importa se um levantamento feito com alunos que já terminaram o Ensino Médio mostrou que 70% deles não entraram na faculdade porque não tinham como pagar e pouco mais de 20% porque não conseguiram entrar em uma instituição pública por conta do filtro social que é o vestibular. Não se importa com o fato de que cobrar mensalidades não vai mudar a realidade dos jovens pobres que estão fora da universidade e continuarão estando fora do ensino superior já que o acesso é tão restrito.

Mas ele vai além, e admite o uso da violência e repressão para viabilizar sua proposta: “Um dia vai ter que se fazer reforma do ensino superior. Vai ter muito gás lacrimogênio, mas tem que fazer. Quem tem condições de pagar tem que pagar o ensino público”, comentou Franco.

Gustavo Franco, que defende que o ajuste fiscal seja feito por meio de um agressivo enxugamento dos gastos públicos, coloca as universidades públicas entre as áreas em que o governo poderia realizar um corte de despesas. Na Previdência Social, Franco tem como proposta resgatar o projeto original de reforma da Previdência encaminhado pelo governo Temer, mas sem as exceções concedidas a militares e professores.

O que deixa claro que seu objetivo é ampliar o pacote de ataques que os capitalistas e seus governos querem descarregar sobre as costas dos trabalhadores e da juventude, numa defesa aberta da privatização do Ensino Superior com o objetivo de garantir os lucros exorbitantes dos monopólios privados de educação.

Exigir o pagamento de mensalidades nas universidades públicas é aprofundar sua elitização que hoje já é garantida pelos vestibulares, que são verdadeiros filtros sociais e impedem milhões de estar na universidade. Quando na verdade este filtro deveria ser destruído e as universidades privadas deveriam ser estatizadas, sob controle dos estudantes, professores e trabalhadores e sem indenização aos capitalistas, para que todos os estudantes tenham direito aos estudos do Ensino Superior, e a universidade seja colocada de fato a serviço dos trabalhadores e da população que a financia através dos impostos.

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*