Pesquisadora mariliense tem artigo publicado em importante livro científico

Doutoranda em Ciência Política, pela UFSCAR, a mariliense Nathália Gonçalves Zaparolli, teve artigo editado em importante livro científico, que tem como título “As Políticas Públicas frente à transformação da Sociedade”, lançado  pela Editora Atena, com organização de  Gustavo Biscaia de Lacerda e corpo editorial acadêmico dos mais renomados.

A pesquisadora e cientista política tem carreira profissional impactante, com curriculo lattes dos mais robustos, mercê de sua tenaz dedicação e orientação de professores brilhantes que a auxiliaram na construção de uma irriquieta personalidade que busca estudar, compreender, analisar e interpretar o mundo das relações sociais e políticas dinâmicas que fazem parte de seu objeto de estudo.

Intelectual contemporânea, com sólida formação pela UFSCAR, uma das mais renomadas universidades federais do Brasil, Nathália Gonçalves Zaparolli, tem também outros artigos publicados em  livros e revistas científicas, além de ter participado de diversos congressos pelo Brasil, aprimorando seu saber acadêmico. Mas, mais do que isso, contribui como cientista política para o estudo da sociedade brasileira, pesquisando mudanças, transformações e as revoluções que operam no intrínseco cenário nacional. Tem como linha de pesquisa, Políticas Públicas em Ciência e Tecnologia.

Nathália Gonçalves Zaparolli assim resume o capítulo que tem como titulo O NOVO CENÁRIO SINDICAL E AS GARANTIAS DE DIREITOS DOS TRABALHADORES, publicado no livro “As Políticas Públicas frente à transformação da Sociedade”:

“Este artigo questiona como a partir da Reforma Trabalhista de 2017 (Lei no
13467/2017), cujo dogma focado no neoliberalismo, vem dificultar as relações
entre Estado, Sindicatos e Trabalhadores, na medida que os meios para se buscar
um justo equilíbrio das forças produtivas, aparentemente se dissolveu. As chaves
explicativas são a facultatividade do imposto sindical e a flexibilização do trabalho. O imposto facultativo enfraquece sindicatos, federações e confederações, ou seja, o mecanismo estatal de comunicação direta do trabalhador com o Estado. A flexibilização, que se configura dentro dos novos conceitos de relação empregatícia, como trabalhador eventual,  horista, além de outras categorias, também pode trazer graves prejuízos ao crescimento  da renda do operariado. Para isso, faremos teórico a respeito das políticas governamentais  neoliberais; histórico sucinto do sindicalismo brasileiro; os dados a serem tabulados focam  as diferenças dos direitos trabalhistas, nas chaves acima mencionadas, entre o disposto  da lei anterior (Decreto-Lei no 5452/1943) e a Reforma Trabalhista de 2017. Portanto, a  análise se dará pelo método qualitativo, os dados sistematizados e interpretados nas perspectivas do quadro teórico estabelecido, nos eixos de relações entre Estado, sindicato e trabalhador.”

Tem formação eclética, cursou Física, formou-se em Ciências Sociais, é MESTRE pela UFSCAR e agora está no DOUTORADO,  com grande presença na academia, a qual se integra, jamais abrindo mão da sua simplicidade e da sua humildade, pilares da sua personalidade que impulsionam seu desenvolvimento profissional.

 

 

Compartilhe
RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter
Instagram

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*