PF busca núcleo financeiro de facção criminosa

Polícia Federal genéricaArquivo/Agência Brasil

PF busca núcleo financeiro de facção criminosa

Agentes cumprem 30 mandados de prisão na operação Cravada

 

Por Agência Brasil  Brasília

Agentes da Polícia Federal deflagraram na manhã de hoje (6) a Operação Cravada, para desarticular o núcleo financeiro de uma facção criminosa que atua nos estados do Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Acre, Roraima, Pernambuco e Minas Gerais.

Cerca de 180 policiais federais cumprem 55 mandados de busca e apreensão, 30 mandados de prisão. Deste total, oito mandados serão cumpridos em presídios, sendo três em São Paulo, um no Mato Grosso do Sul e quatro no Paraná.

As ações que têm apoio do Ministério Público do Estado do Paraná, do Departamento Penitenciário Federal, Secretaria de Administração Penitenciária do Estado de São Paulo e Polícia Militar do Estado de São Paulo, ocorrem em mais de 15 municípios.

Núcleo financeiro do crime

De acordo com a assessoria da PF, a investigação teve início em fevereiro deste ano, a partir de informações sobre a existência de uma espécie de núcleo financeiro da facção criminosa estabelecido na Penitenciária Estadual de Piraquara, no Paraná. O grupo era responsável por recolher e gerenciar as contribuições para a facção criminosa em todo o território nacional.

Investigadores afirmam que o dinheiro era usado para pagar a aquisição de armas de fogo e de entorpecentes, além de providenciar transporte e manutenção da estadia de integrantes e familiares de membros da facção em locais próximos a presídios.

Os pagamentos, chamados de “rifas”, eram repassados por contas bancárias, de maneira intercalada, com uso de medidas para dificultar o rastreamento. A investigação indica a circulação de aproximadamente R$ 1 milhão por mês nas diversas contas utilizadas pelo grupo.

Foram identificadas e bloqueadas mais de 400 contas bancárias suspeitas em todo o país. Os investigados devem responder por tráfico de entorpecentes, associação para o tráfico e organização criminosa.

Edição: Carolina Gonçalves

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*