Servidor flagrado em relação sexual com aluna em escola pode responder a PAD e pode ser exonerado

Da Redação – Vinicius Mendes

http://www.olhardireto.com.br

Foto: Rogério Florentino / Olhar Direto

​Servidor flagrado em relação sexual com aluna em escola pode responder a PAD e pode ser exonerado

O servidor da Escola Estadual Ângelo Nadin, em Lucas do Rio Verde (a 336 quilômetros de Cuiabá), que foi flagrado fazendo sexo com uma aluna de 16 anos, dentro de uma sala nas dependências da escola, vai responder a um Processo Administrativo Disciplinar (PAD). A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) afirmou que o homem poderá ser demitido e ficar cinco anos proibido de exercer cargo público.

Leia mais:
Funcionário é flagrado fazendo sexo com aluna de 16 anos em escola estadual

No último dia 28, alguns alunos da escola teriam filmado o servidor e a estudante em ato sexual através de uma fresta de uma das janelas da sala onde os dois se trancaram. O vídeo depois chegou à direção da escola, que tomou providências.

O diretor da escola, Fernando Zílio, se reuniu com o servidor e depois com a aluna e então encaminhou o caso para a Seduc. Zílio preferiu não repassar mais informações sobre o servidor em questão, mas afirmou que ele está de férias no momento, que já estavam programadas.

Por meio de nota, a Seduc afirmou que esteve na escola e se reuniu com servidores, com a estudante, pais e com o Conselho Deliberativo da Comumidade Escolar (CDCE). O servidor em questão responderá a um Processo Administrativo Disciplinar (PAD).

A Seduc ainda informou que, caso as suspeitas sejam confirmadas, o professor poderá ser afastado ou demitido, ficando proibido de exercer cargo público por cinco anos.

Leia a nota da Seduc na íntegra:

Sobre a denúncia envolvendo um servidor da EE Ângelo Nadin, em Lucas do Rio Verde, a Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc) informa que:

1 – A Assessoria Pedagógica do município recebeu a denúncia e esteve na unidade e se reuniu com servidores, estudante, pais e Conselho Deliberativo da Comunidade Escolar (CDCE), afim de investigar o caso e tomar depoimentos;

2 – Toda documentação será enviada à Unidade Setorial de Correição (USC) da Seduc – setor responsável por investigação e verificação de denúncias, além de abertura de Processo Administrativo Disciplinar (PAD);

3 – No momento, o servidor se encontra em período de férias, mas será notificado e terá direito a ampla defesa das acusações;

4 – A Seduc informa ainda que, caso as suspeitas sejam confirmadas, o professor poderá ser afastado ou demitido, ficando proibido de exercer cargo público por cinco anos.

Comente

Seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*